Missa na Casa Santa Marta

Papa em homilia: Missa não é evento social, mas presença de Deus

Em homilia nesta quinta-feira, Francisco dedicou-se à memória da salvação

Da Redação, com Rádio Vaticano

Papa em homilia: Missa não é evento social, mas presença de DeusA Santa Missa não é um evento social, mas a presença do Senhor. Esse foi o ponto destacado pelo Papa Francisco na Missa celebrada nesta quinta-feira, 3, na Casa Santa Marta. O Santo Padre afirmou que não se pode transformar a memória da salvação em uma recordação, em um “evento habitual”.

O Sumo Pontífice presidiu a Celebração Eucarística na presença do Conselho de Cardeais, que está reunido com ele no Vaticano, desde terça-feira, 1º. Ele inspirou-se em um trecho do Livro de Neemias, da Primeira Leitura do dia, para centrar sua homilia na questão da memória.

O Santo Padre observou que o Povo de Deus tinha a memória da Lei, mas era uma memória distante. Naqueles dias, em vez disso, a memória se fez próxima e esse mesmo povo se emocionou porque tinha tido a experiência da proximidade da salvação.

“E isso é importante não somente nos grandes momentos históricos, mas nos momentos da nossa vida: todos temos a memória da salvação, todos. (…) E quando a memória não está próxima, quando não temos esta experiência de proximidade da memória, esta entra em um processo de transformação, e a memória se transforma uma simples recordação”.

E destacou que quando esta memória da salvação se faz próxima, ela aquece o coração e dá alegria. Esse encontro com a memória é um evento de salvação, segundo Francisco, é um encontro com o amor de Deus. E quando Deus se aproxima, sempre há festa, salientou o Pontífice.

O Santo Padre também lembrou que, muitas vezes, os cristãos têm medo da festa; a vida os acaba levando a afastarem-se desta proximidade, mantendo somente uma lembrança da salvação, e não a memória viva.

“É triste, mas a Missa, muitas vezes, se transforma em um evento social e não ficamos próximos à memória da Igreja, que é a presença do Senhor diante de nós. (…) Peçamos ao Senhor a graça de ter sempre a Sua memória próxima a nós, uma memória próxima e não domesticada pelo hábito, por tantas coisas, e distante como uma simples recordação”.

Comentários

comentários

↑ topo